31.10.09

CASAN amplia rede de água até
o final da Rafael da Rocha Pires


Uma antiga reinvindicação dos moradores do final da rodovia Rafael da Rocha Píres (estrada geral de Sambaqui) está sendo atendida pela CASAN: a extensão da rede de água tratada para cerca de 60 famílias que residem da região. Os trabalhos começaram pelo final da via. Os interessados devem solicitar fomalmente as ligações junto à empresa.


Como solicitar a ligação

Procurar a CASAN (rua Emílio Blum Nº 83, Centro). Se possível levar uma fatura de água do imóvel mais próximo.

Importante

Ao fazer a solicitação o consumidor receberá as informações técnicas (folder e gabarito) para construção do abrigo de proteção do cavalete e alimentador predial.


Documentos

CPF/CNPJ e RG do solicitante

Comprovante do vínculo de propriedade do solicitante com o imóvel

Comprovante de regularização do imóvel junto a Prefeitura Municipal*

* Quando de aprovação e vigência de lei municipal.


PADRÃO TÉCNICO DE
LIGAÇÃO DE ÁGUA 1/2" e 3/4"


ABRIGO DE PROTEÇÃO DO CAVALETE

Compete ao solicitante construir o abrigo de proteção do cavalete e alimentador predial com registro dentro do padrão técnico exigido pela companhia.


Fonte: CASAN.

*
Acompanhando o
cumprimento de
promessas da PMF

Meia-sola na Padre Rohr ficou pela metade

As melhorias nas condições de trânsito pela rodovia Padre Rohr - alternativa de acesso a Sambaqui e Barra do Sambaqui - ficaram pela metade. Caminhões da Prefeitura despejaram montes de asfalto triturado da SC-401 ao longo da via, mas o material só foi espalhado até uma certa altura. No restante os montes continuam invictos e intactos, esperando a vez. As fotos foram feita hoje (sábado, 31.10) por volta do meio-dia.

Mesmo assim, por estranha ironia, a rodovia Padre Rohr está em melhores condições que a estrada geral de Sambaqui. A vista do mar é substituída por uma paisagem de campos e florestas, com algum remanecescente rural. Das partes mais altas de avista a Daniela e o imenso estuário do rio Ratones com seu manguezal. O único inconveniente é a poeira, mas que também está presente no acesso principal a Sambaqui.





Um comentário:

José Tadeu disse...

É o tipo de obra populista, para atender os reclames dos que moram na Barra e no Sambaqui e reclamam da lama e da poeira. Pelo que vi, raspa de asfalto (asfalto frio), que se arrebenta com o trânsito, formando "panelas". Prefiro as poças de lama de hoje. A manutenção, que é precária, vai ser mais problemática, pois a Intendência tem dificuldade de obter material de mesma natureza, para fechar as panelas. Nos trechos em que já foi aplicado, o material se desagrega e é remendado com barro. As chuvas cavam o barro e o asfalto fica na superfície, formando um "degrau". O sr. Dário não tem coragem de asfaltar, pois a obra é cara, necessitando projeto completo, com desapropriações, retificação do traçado, alargamento, drenagem adequada e suavização do relevo, que é demasiadamente acentuado. A velocidade média vai aumentar, causando mais acidentes (que por sinal, já são frequëntes). Para quem mora na rua, uma grande merda...