13.10.09

NOSSA
SENHORA
APARECIDA
Barra do Sambaqui e Sambaqui

12.10.2009
Segundo lote de fotos

A COROAÇÃO

E uma Carta Aberta de
Emanuel Medeiros Vieira



















*
Carta Aberta 1
CARTA ABERTA
À URDA KLUEGER
E AO RAUL LONGO


Por Emanuel Medeiros Vieira

Diletos amigos Urda e Raul

Saudações deste Planalto Central do País.

Não leio certas revistas semanais brasileiras.

Certa vez, num consultório dentário, à espera de atendimento, depois de folhear uma delas, senti vontade de vomitar.

Ontem, um querido amigo me visitou e, com a ira sagrada dos homens de bem, sentia-se repugnado com a matéria de uma dessas ignóbeis publicações semanais.

Sim, como disse alguém, essa revista deve ser feita no esgoto.

Mas não perderia tempo para falar de uma revista que, segundo o Brizola, foi criada por mafiosos fugidos da Itália.

O que dói na alma é que certos “jornalistas (alguns são jovens) vendem sua alma por uns trocados, e alugam a pena para servir a grileiros, latifundiários, aos mercenários da imprensa brasileira, contra as maiores e mais generosas lutas de todos os oprimidos do mundo, e da auto-determinação dos povos.

Escrevo para “socializar” uma preocupação sincera.

Percebo, amigos, um perigoso aumento desse comportamento da extrema-direita brasileira (e latino-americana), cada vez mais agressiva, mais violenta, mais fascista.

É a voz da “mídia das 10 famílias”.

Com sua postura mais do que reacionária, uma dessas publicações – que tem repugnância dos humildes –, torna-se a cada dia mais sórdida, sempre açulando os extremistas mais violentos, criminalizando os movimentos sociais, defendendo golpistas, como ocorreu em Honduras.
Quem viveu (aos 20 anos), no Brasil, os idos de março de 64, lembra-se da agressividade da mídia conservadora e direitista contra Jango, com missas do Padre Peyton, a campanha do “Ouro para o bem do Brasil”, e sabe o perigo que isso representa.

Os democratas e humanistas deste país não podem se dispersar, caindo na omissão ou no desânimo.

O pessimismo é sempre desmobilizador.

Detecta-se esse aumento da postura fascista na agressividade da bancada ruralista no Congresso, a bancada do agro-negócio (às vezes, do agro-banditismo), dos grileiros, unidos às igrejas neo-pentecostais mais direitistas.

Mas é uma fascistização não só brasileira.

Faço uma colocação – deixo claro, não estou fazendo uma defesa de Obama: percebe-se um agressivo aumento da campanha de desligitimação do presidente americano, orquestrada pela extrema-direita dos EUA, detectada até por colunistas do “New York Times”, como Thomas Friedman.

Quem sabe o que significa a América profunda, a força dos radialistas fascistas, o canal “Fox”, o racismo sempre presente na sociedade americana, não pode subestimar esse perigo.

É uma gente que, por exemplo, não admite que todos os americanos tenham direito à saúde pública.

(Em pleno século XXI.)

Na América Latina, os donos da mídia, os latifundiários, estão atacando cada vez mais ferozmente os governos populares.

A formação escravocrata forjou esse caráter.

Creio que não se pode dar pretexto a essa gente nefasta, não se pode fazer o seu jogo, como ocorreu há pouco em São Paulo.

É isso o que “eles” querem.

Por que escrevi, amigos?

Não podemos ficar calados.

O que proponho?

Denunciar sempre, todos os dias, não calar, tentar furar o bloqueio da informação “das 10 famílias” (ou pouco mais: no Sul, já temos os seus representantes) que querem a permanência de um Brasil da desigualdade social obscena, da concentração de renda e de terras.

Que todos os humanistas deste Brasil não se calem.

Como disse alguém, “a neutralidade ajuda o opressor, nunca a vítima. O silêncio encoraja o algoz, nunca o oprimido.”

Fraternais saudações do Emanuel Medeiros Vieira
(Brasília, 12 de outubro de 2009)

2 comentários:

silvia conceição disse...

mto bom...parabens!

Ana Carla disse...

Celso,
Muito interessante o texto do Emanuel Medeiros Vieira.
Também não posso deixar de registrar que lindas as fotos da coroação...
Grande abraço.
Ana Carla Pimenta