9.3.10

.

Baiacu está de volta

Poema de Raul Longo

Sobre "Olhos Azúis" de

Emanuel Medeiros Vieira


*


*

BAIACU RETOMA
AS ATIVIDADES

Chegou a verba do
Ponto de Cultura



O Baiacu de Alguém retoma as atividades após o breve recesso do pós-Carnaval, comemorando a passagem do Dia Internacional da Mulher e o aniversário do grupo Portal do Choro. O evento será na sexta-feira (12.3), à partir das 21h30. Comes e bebes no local. Ingresso: R$ 10,00 e R$ 5,00 com a camisetado Baiacu.

No sábado (13.3), às 14 horas, importante reunião de planejamento estratégico no Centro Cultural Baiacu de Alguém, visando o uso da verba do Ponto de Cultura. Só agora os recursos foram liberados pelo Governo do Estado, apesar de o convênio ter sido assinado no dia 3 de novembro do ano passado. Segundo Daniela Schneider, "estamos em busca de informações e capacitação sobre a questão das compras, licitações, pregão eletrônico, prestação de contas etc., para que façamos tudo dentro da legalidade".

Por outro lado, o Bloco Baiacu de Alguém "vem agradecer a todos os que contribuíram para que nós fizéssemos, mais uma vez, um belíssimo carnaval, com muita paz, alegria, confraternização, deixando a marca de ser uma das melhores festas carnavalescas da cidade de Florianópolis", escreve Nelson Motta.

Os agradecimentos são dirigidos em especial ao Clube Avante, "pela viabilização do Carnaval de rua de Santo Antônio", aos dedicados músicos Jackson, Júlio e Joana (intérpretes), Bruno e Gabriel (cavaquinho) e Reizinho (violão), além da banda Gafieira Light, "parceira de velhos carnavais, cada vez melhor" e aos "músicos parceiros que ajudaram na composição e gravação do nosso belo samba". Os cumprimentos são dirigidos ainda aos "nossos ritmistas, mestres de bateria, passistas, que trazem vibração aos nossos ensaios e desfiles nas ruas de Santo Antônio", ao "pessoal dos bonecos e alegorias" e da infra-estrutura, do bar, caixa e venda de camisetas e comunicação (fotos, filmagem, site).

São lembrados ainda os "nossos seguranças" e os que "organizaram e seguraram a corda nos desfiles de rua pois, todos estes, são aqueles atores que não tem visibilidade, mas que garantem a realização da festa e do espetáculo". O mesmo é dito em relação aos "nossos foliões, razão e sentido de nossas festas e desfiles", a Prefeitura Municipal e "aos músicos e à música de nossa Ilha, tema de nosso carnaval, que devem ser cada vez mais conhecidos e valorizados".


Veja aqui as fotos e vídeos das
festas e desfiles do Carnaval 2010

*
DEPOIS DO DIA DA MULHER

Por Raul Longo

Raul (D), caminha com o escritor Roniwalter
Jatobá e a fiel Canela na Ponta do Sambaqui.



Minhas amigas que me desculpem,
mas não quero a mulher de um dia.

Quero aquela Mulher que a qualquer momento
é capaz de arrumar um tempo
para se doar a qualquer um
dos filhos de todas as mulheres,
e também às outras mulheres
como se no mundo todas
fossem suas mães, filhas
e avós.

Essa é a Mulher que quero
e me perdoem minhas namoradas
porque não quero a de um dia.

Quero aquela Mulher que nos momentos exatos
exija de mim um prazer intenso
para que me doe todo
e único. Indiviso, para na profundidade exclusiva
de sua felicidade
poder sentir o sentido imenso
da beleza de todas as mães,
filhas e avós.

As mulheres tantas de todas
que admiro pela história
que não se incomodem,
mas decididamente não quero a mulher
de apenas hoje.

Quero a Mulher de cada dia,
presente a cada instante
por si e por sua vida.
Pois que é dessa vida de mulher
que sempre se procriará a Mulher
que quero.

Não a de ontem,
a Mulher do futuro que se constrói em todo amanhã
de cada mãe, filha
ou avó.

É a Mulher que quero.

*Raul Longo é jornalista. Residente em Sambaqui (Florianópolis-SC).

Ponta do Sambaqui, 2886
88.051-001 - Florianópolis/SC
www.sambaqui/pousodapoesia
pousopoesia@gmail.com

*

SOBRE EMANUEL

Emanuel, segue meu texto, minhas modestas considerações sobre tua obra. Como já te disse em e-mail anterior, que estava amando teu livro. Digo que teu nome significa "Deus contigo", acho que está correto. se não for, corrige por favor. Bem aí está, podes usar ou descartar. Escrevi pela manhã, ao acordar e terminar a leitura. Tudo o que está relatado é verdade, pois quando não gosto de uma obra que me enviam digo "apreciei a leitura etc", sem me alongar. Mas Olhos Azuis é envolvente. Obrigada por me proporcionar a leitura. Hoje levarei para minha irmã Zeula poder também apreciar a obra desse nosso poeta-escritor catarinense.
Beijos no teu coração, Maura.
(1)

CONSIDERAÇÕES SOBRE
“OLHOS AZUIS –

AO SUL DO EFÊMERO”,

de Emanuel Medeiros Vieira



Como em tantos outros dias que amanhecem, acordei de madrugada, precisamente às 3.45h do dia 7 de março de 2010 e retomei a leitura de “Olhos Azuis – Ao sul do efêmero”, de Emanuel Medeiros Vieira, leitura interrompida às 23 horas do dia 6 para dar lugar ao sono que se avizinhava e que foi direto, sem escalas.

Acabou. “O último ato coroa a peça”, já disse alguém, recordo-me somente da frase agora.

Escrevo sobre o travesseiro onde tantos poemas que me inspiraram foram anotados.

Acabou. Emanuel encerra seu romance-catarse-memória-poema-relato “Olhos Azuis – Ao sul do efêmero”, mas eu desejava mais nessa busca louca da palavra que não se esgota.

5h – quando termino de ler, verificando o tempo que Emanuel levou para escrever,em etapas e usou para apresentar/desabafar/expurgar seus pensamentos, suas lembranças.

Vivemos no presente pensando no futuro, mas sempre nos recordando do passado, diz o autor em passagens finais da obra.

Quem não viveu os tempos da ditadura brasileira(*) não tem noção de como os dias foram turbulentos para aqueles que acreditavam em suas ideologias. Os que resistiram ao tempo, não foram mortos ou não sucumbiram a maus tratos, aos choques elétricos, na faixa dos sessenta anos, olham ao passado com olhos doces, há nos seus olhos ironias e cansaços, como Zé Régio, mas cruzaram os braços e nunca foram por ali. Perseguiram seus ideais, foram em frente até na luta armada, correram da polícia, da “pata do governo”, como disse certa ocasião um meu professor de literatura ao estudarmos as produções literárias dos anos 60/70, no Curso de Pedagogia.

Emanuel não foge à regra, libertou-se em três etapas de sua vida, de suas emoções, colocando no papel o seu sentimento, todas as angústias, seu amor e seu sexo por Júlia; seu carinho e sexo também por Wanda. Fala das perdas que lhe deixaram marcas, cicatrizes da alma, lembranças de uma época que não volta mais.

Na máquina de escrever, no som gostoso das teclas que não se ouve mais, o desfilar de seus amores, de pensamentos de escritores favoritos, lidos, anotados, interpretados e inseridos no contexto.

Lembro Lindolf Bell com quem convivi no seio do Conselho Estadual de Cultura, que me dizia, tem sempre um caderninho à mão para anotar os pensamentos que te surjam.

Sigo o conselho do meu querido amigo poeta, que veio da geração das crianças traídas, que veio de muitas coisas destroçadas e faço de imediato o relato do que senti da obra de Emanuel. No calor da emoção.

Mas os tempos mudam, a geração da esperança que lutou, enfrentou a “pata do governo”, aqueles autênticos ainda aí estão, fiéis às suas lembranças, fiéis à sua pátria amada, no desejo infinito de vê-la progressista, de vê-la a mãe de todos que dá conforto, o pão de cada dia e não a mãe que empurra bolsa-família, bolsa-gás, bolsa-escola e mantém o filho agregado sem poder, sem desejo de lutar, se acovardando, se acomodando, presa fácil de manter sobre seu manto “protetor”.

Emanuel é um desses seres/pensadores que sentiu as cordas de seu coração vibrar de emoção no canto do amor por sua terra, não a que existe agora, cheia de desmandos, plena de corrupção, de homens públicos cada qual usando e abusando da expressão típica de nossa amada Ilha-capital – “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

Não, Emanuel em “Olhos Azuis” emociona com seu saber, sua profundidade literária, retrata em muitos momentos sua paixão pela vida, pelas mulheres que lhe marcaram e que de certa forma o abandonaram.

Emanuel, cujo nome significa “Deus contigo”, não esconde sua formação religiosa, demonstra em muitas passagens o carinho pelo pai ao rezar com ele o Terço, o pai, figura austera mas carinhosa,preocupada com o futuro do filho. O pai, também cheio de lembranças, com sua profunda fé católica.

Emanuel, que vivendo longe de sua terra natal, evoca sua Desterro em muitas passagens, pois o que fica no final dos tempos são as memórias, são as marcas, são as rugas que o tempo teima em revelar.

Se é um romance, se é um relato, se é um poema épico, se é somente remembranças, não importa. O leitor vai acompanhando a narrativa no ir e vir do tempo, como se o autor estivesse ao seu lado saboreando vinho em reuniões literárias e comentando sobre sua vida. A noite acaba e a promessa de novo encontro para o papo continuar.

É assim que vejo, foi assim que senti “Olhos Azuis”, sem procurar me influenciar pelos comentários anteriores e pela orelha do livro.

Olhei, li e absorvi a obra com sentimento poético, com o desejo de quero mais, com a necessidade urgente de que mais pessoas como eu possam sentir as mesmas emoções, ter os mesmos risos em algumas passagens, embora o autor não se revele um humorista, longe disso, quem foi ferido não revela nos seus escritos senão os sentimentos de dor, de perda.

Emanuel, que gentilmente, sem me conhecer pessoalmente, me enviou seu “filho” para ser apreciado, acarinhado, creio que encontrou aqui, ao sul do efêmero, uma alma que também desejou e deseja que sua pátria seja a melhor do mundo, que sua gente não sofra mais, que os homens que a governam sejam finalmente iluminados e dêem ao povo não apenas a esperança, mas a realidade de dias melhores com empregos decentes, os filhos amparados, a comida na mesa.

Escrevo estas linhas sobre o travesseiro em letras garranchadas, em frases sem pontuação, para me livrar das emoções, como disse Elliot, e poder aguardar com ansiedade mais uma obra deste meu amigo que está tão longe, mas ficou bem perto do meu coração.

Aos 7 de março de 2010, 5.41h, manhã que continua chuvosa na Ilha-Capital.

(1) Maura Soares, do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, Academia Desterrense de Letras e Grupo de Poetas Livres.


(*) O ano de 1964 ainda não terminou, como revela matéria de duas páginas assinada por Luis Fernando Assunção inseridas no Jornal Noticias do Dia de Florianópolis(6 e 7 de março de 2010), que traça o perfil, a história do marinheiro catarinense nascido em Caçador, Edilton Swarovski que, trinta anos depois de ser anistiado(1979), ainda vive como exilado no México. Está com problemas de saúde e a família luta para trazê-lo de volta à terra natal. Para Edilton 1964 ainda não terminou. Ele pediu asilo político em 1966. Pouco antes do golpe militar, em 25 de março de 1964, ele participou de uma reunião no sindicato dos metalúrgicos, no Rio de Janeiro.


*
Alô!!!

Anita Martins, direto de Bali (Indonésia), pelo Skype.

2 comentários:

Silvia d`eça Neves Luz da Conceição Blasi disse...

Celso,

Lindo demais o poema de Raul
Parabens...
Poucos sao os homens que observam e admiram as mulheres com tanta nobreza...
Abraços

Anônimo disse...

Concordo com Silvia, parabéns ao poeta Raul! Abraços lagunenses. Fatima