16.4.10

.




Não é apenas um estaleiro!
Chama-se OSX Estaleiro-SC




Investimento de US$ 3 bilhões, volume captado no mercado internacional de ações a partir de Nova Iorque-EUA (o orçamento de Florianópolis para 2010 é de R$ 1,25 bilhão). Empresa OSX, Grupo EBX (Eike Batista).

Na localidade de Tijuquinhas, Enseada de São Miguel (Biguaçu-SC), Baía de Florianópolis, numa área de 155,33 hectares ou cerca de 1.600.000 m2, equivalente a aproximadamente 155 campos de futebol.

Quando estiver funcionando vai gerar 4.000 mil empregos diretos, semelhante à Celesc (a Bunge, maior empresa operando no Estado, tem 8.500 funcionários).

No OAX Estaleiro-SC serão construídos navios-sonda e plataformas de extração de petróleo semi-submersíveis e fixas.

Será cavado um canal entre a área do empreendimento e a barra da Baía Norte de Florianópolis, com cerca de 12,3 quilômetros de extensão, 160 metros de largura e 9 metros de profundidade, fruto da dragagem de 8.750.000 m3 de areia do fundo marinho. O aterro da Via Expressa Sul surgiu da dragagem de 7.800.000 m3 de areia do Banco da Tipitinga.

É possível que ocorram alterações nas correntes marinhas no interior da Baía Norte de Florianópolis, com “alteração da paisagem (impacto visual do tráfego de embarcações e do próprio estaleiro)”. Para a elaboração do diagnóstico socioeconômico, foi feita a caracterização das localidades inseridas na Área de Influência Direta (AID): Sambaqui, Praia do Forte, Daniela, Jurerê Tradicional e Jurerê Internacional.



O estudo de balneabilidade do EIA-RIMA do empreendimento foi realizado nas praias localizadas nas AIDs do estaleiro: as que contornam a orla da Baia Norte (Sambaqui, Daniela, Jurerê Internacional e Praia do Forte em Florianópolis; São Miguel em Biguaçu; e, do Magalhães, do Tinguá e do Antenor em Governador Celso Ramos).


O empreendimento surgirá nas áreas de influência/proteção da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, Área de Proteção Ambiental de Anhatomirim (APA) e Estação Ecológica de Carijós.

Estudos de modelagem numérica de dispersão de óleo no mar, no caso de um acidente com vazamento, indicaram que para o período de verão há uma maior tendência de retenção do óleo no interior da Baía Norte. (Quadro abaixo)

Confira a seguir os principais impactos do empreendimento, segundo o RIMA (dezembro de 2009) elaborado pela empresa Carujo Jr. - Estudos Ambientais&Engenharia Ltda, contratada pela OAX, empresa do Grupo EBX (Eike Batista).


*

*

C O N V I T E

O Conselho Comunitário Pontal do Jurerê - Praia da Daniela convida para reunião dia 19.04.2010, às 20 horas, na sede situada à Avenida das Palmeiras, 566 - perto da antena da BRASILTELECOM.

O assunto será o projeto de instalação do Estaleiro 0SX, em Biguaçu.

Pretendemos contar com a presença de técnicos e analistas ambientais do ICMBIO que poderão auxiliar com informações técnicas e científicas sobre os impactos ambientais que a região sofrerá se o empreendimento tiver sucesso.

Gostaríamos também que as associações das comunidades vizinhas enviassem seus representantes para participar do debate.

Aguardamos resposta por e-mail de todos os convidados:

ICMBIO:
CR-9, APA Anhatorimim, ESEC Carijós, REBIOMAR Arvoredo, CEMAVE e CMA.

Associações:
Associação dos Moradores e Proprietários de Jurerê Internacional, Associação do Bairro de Sambaqui, Associação dos Moradores de Jurerê, Associação dos Moradores da Praia do Forte, Associação dos Moradores do Loteamento Praia do Forte e Associação da Barra do Sambaqui e
CONSEG 32 Jurerê/Daniela/Forte/Ratones.

Heloisa Helena Wagner da Silva
Presidente

CCPONTAL

*
SAIBA MAIS

O RIMA do Estaleiro (download no site da FATMA).

ONG Montanha Viva.

ONG SEA SHEPHERD

Blog da Praia da Daniela (Pontal de Jurerê).

2 comentários:

Alexsandra Assis Casagrande disse...

Um estaleiro numa baía e área de entorno de 3 unidades de conservação, só mesmo em Santa Catarina. O que pensa a Secretaria de Turismo de Florianópolis, visto que o balneário mais badalado da cidade terá como vista panorâmica um estaleiro, navios e plataformas em construção? O município de Biguaçu está preparado para ter sua população aumentada drasticamente com a implantação do empreendimento ou só está pensando no aumento da arrecadação?

Carol disse...

Sou de Itanhaem - SP e o Eike Batista tentou construir um porto por la, o tal de Porto Brasil, as ONGs locais se mobilizaram e hj o tal porto parece que não vai rolar mais... um dos principais problemas que encontramos na construção do devido porto que atrapalhou a construção do mesmo era: Como dragar uma qtdd tão grande de areia com certa frequencia... e onde colocariam toda essa areia... além é claro de varios problemas ambientais como vcs citaram aqui.
No site www.ecosurfi.org tem algumas informações sobre o q rolou...
Carol Peres